Menu    Página Principal   Instruções Gerais   Tabelão de Componentes   Dicas Técnicas   Projetos   Sites Interessantes 


FAQ

Componentes Eletrônicos
Circuito Impresso

Perguntas e Respostas mais Freqüentes sobre Componentes Eletrônicos



Questões selecionadas e respondidas pelo Newton C. Braga


1. Como escolher um transistor equivalente para um projeto?
2. Que valores posso usar quando não encontro um resistor de valor exigido num projeto?
3. Podem ser usados equivalentes de um circuito integrado com sufixos diferentes?
4. Posso usar um capacitor eletrolítico de tensão maior que a exigida originalmente num projeto?
5. Como encontrar um circuito integrado equivalente para um projeto?
6. Quais são os componentes que se estragam com o tempo e portanto, exigem mais cuidado ao serem usados quando velhos?
7. Existem componentes com datas de validade?
8. Como entender os códigos dos fabricantes de equipamentos?
9. Onde encontrar fios esmaltados?
10. Como saber o número AWG de um fio esmaltado?
11. Por que não podemos usar capacitores de poliéster em alguns circuitos, principalmente os de alta frequência?
12. O que significa o fato de um eletrolítico ser "indutivo"?
13. Como escolher um diodo equivalente numa fonte?
14. Qual a diferença entre diodos de silício e de germânio?
15. Posso usar um resistor de maior potência em lugar de um de menor potência?
16. Posso usar um resistor de tolerância mais baixa em lugar de um de mais alta?
17. Como entender o código de 5 anéis dos resistores de tolerância mais estreita?
18. Podemos alimentar um circuito com uma fonte de maior corrente que a originalmente exigida?
19. Podemos usar um transformador de maior corrente que a exigida originalmente numa fonte?
20. Por que podemos usar um fusível de apenas 500 mA na entrada de uma fonte de 12 V x 2 A?
21. Por que determinados componentes precisam ser montados em radiadores de calor?
22. Por que as trilhas das placas para altas correntes precisam ser mais grossas?
23. O que são componentes polarizados?
24. Quais são as diferenças de características dos LEDs?
25. Fototransistores e fotodiodos são diferentes? Quando usar um ou outro?
26. Que cuidados devemos ter ao manusear componentes MOS?
27. O que é impedância?
28. Como dimensionar a potência de um alto-falante?
29. Como obter componentes?
30. Podemos cortar os terminais dos componentes à vontade?

 


1. Como escolher um transistor equivalente para um projeto?
A escolha de um transistor equivalente para um projeto exige o conhecimento da sua função no circuito e das características do componente original.
Para aplicações de corrente contínua (fonte) e áudio, a escolha é menos crítica e normalmente, o equivalente deve ter as seguintes características:
- Mesmo tipo (NPN, PNP, FET de canal N ou P).
- Corrente máxima de coletor igual ou maior que o original.
- Tensão máxima de coletor igual ou maior que o original.
- Ganho igual ou maior que o original.
Para aplicações em circuitos de alta frequência temos ainda a observar:
- Frequência de transição igual ou maior que o original.
Em alguns casos, como, por exemplo, em pré-amplificadores de áudio ou ainda amplificadores de RF, deve ser observado o fator de ruído, que no equivalente deve ser igual ou melhor que o original.
Dispor de um manual de transistores é muito importante para quem faz substituições destes componentes com frequência.

2. Que valores posso usar quando não encontro um resistor de valor exigido num projeto?
Os resistores usados na maioria das montagens comuns tem uma tolerância de 20%. Isso significa que, na falta de um valor original, dependendo da funçãoé possível experimentar um valor próximo.
Entretanto, se os resistores recomendados no projeto forem de pequena tolerância, 5% ou menos, o leitor deve partir para outros tipos de soluções.
Uma delas consiste na associação de resistores de outros valores. Por exemplo, se não encontro um resistor de 150 ohms para uma aplicação, posso associar em série um de 100 ohms com um de 47 ohms, obtendo com boa precisão o valor desejado. O problema está apenas no espaço disponível na montagem, já que teremos de colocar dois resistores onde havia apenas um.

3. Podem ser usados equivalentes de um circuito integrado com sufixos diferentes?
Os sufixos dos circuitos integrados podem ter diversos significados. Os montadores devem estar atentos a isso.
Um primeiro caso ocorre quando o sufixo indica o tipo de invólucro. Neste caso, o que pode ocorrer é que um circuito integrado com sufixo diferente do original venha com um invólucro de tamanho diferente ou número de pinos diferentes.
Um segundo caso está nas próprias características elétricas do componente. O sufixo pode indicar que aquele circuito integrado opera com uma faixa diferente de tensões de alimentação ou ainda tem um ganho diferente.
Um caso mais grave que ocorre com estes sufixos é que eles podem indicar o tipo de configuração em que o componente é usado. Por exemplo, é comum que nos amplificadores de áudio integrados tenhamos sufixos diferentes para componentes que funcionam em sistemas estéreo (canais separados) e ligados em ponte.
Em todos os casos, o leitor que usar um componente com sufixo diferente do indicado pode ter problemas sérios com o projeto.

4. Posso usar um capacitor eletrolítico de tensão maior que a exigida originalmente num projeto?
Muitos leitores não sabem, mas a capacitância apresentada pelo capacitor eletrolítico é levemente dependente da tensão em seus terminais.
Isso significa que um eletrolítico terá a capacitância indicada, quando submetido a uma tensão numa faixa próxima a sua tensão de trabalho.
Num projeto podemos usar um capacitor eletrolítico para uma tensão maior que a original, mas não muito. Por exemplo, de um capacitor de 400 V, onde se pede um de 6 V, pode resultar em problemas, pelo fato do componente também não apresentar a capacitância esperada.
Uma tolerância de até 100%, utilizando-se um capacitor com até o dobro da tensão indicada é tolerada.
Lembramos apenas que capacitores para tensões maiores também são fisicamente maiores e pode não haver espaço suficiente para sua instalação.

5. Como encontrar um circuito integrado equivalente para um projeto?
Existe uma enorme quantidade de circuitos integrados disponíveis e uma boa parte deles é do tipo dedicado, ou seja, tem função único.
Para os integrados de uso geral, existe a possibilidade de encontrar equivalentes, mas nem sempre isso é fácil.
Somente funções comuns como amplificadores operacionais, timers, reguladores de tensão, funções lógicas simples é que possuem equivalentes.
É preciso alertar que existem dois tipos de "equivalências":
A primeira é o mesmo componente fabricado com outro código, ou o mesmo código com o prefixo alterado por outro outro fabricante. Por exemplo, podemos ter o LM741, uA741, NE741 para o mesmo amplificador operacional 741.
Neste exemplo, as diferenças de características dos componentes são suficientemente pequenas para não haver problemas de substituição na maioria dos casos.
A segunda é um componente para a mesma função com código e configuração interna diferentes.
Neste caso o leitor deve estar atento, pois nem sempre a substituição numa aplicação é direta. Por exemplo, podemos ter o mesmo componente amplificador de 1 W com mesmo invólucro, mas componentes externos levemente diferentes e pinagem diferente.

6. Quais são os componentes que se estragam com o tempo e portanto, exigem mais cuidado ao serem usados quando velhos?
Os capacitores eletrolíticos são componentes químicos, existe uma substância em seu interior que se deteriora ou perde suas propriedades com o tempo.
Assim, um eletrolítico que tenha ficado muito tempo sem uso pode perder sua capacitância. Se o leitor pretende usar capacitores eletrolíticos velhos, deve ter muito cuidado. Verifique se eles ainda estão bons.

7. Existem componentes com datas de validade?
Muitos componentes, se bem que não tenham datas de validade marcadas (como é o caso de eletrolíticos) possuem códigos de fabricantes que indicam a que lote pertencem e logo, quando foram fabricados.
Para os circuitos integrados, junto ao tipo pode haver um código em que o ano de fabricação é indicado, mas este código nem sempre é simples de entender.

8. Como entender os códigos dos fabricantes de equipamentos?
Um dos problemas dos técnicos reparadores é entender os códigos de componentes de alguns fabricantes. Existem muitos fabricantes de equipamentos que usam componentes encomendados para seu uso específico com um código próprio deles.
Às vezes o componente é um simples 555 ou um BC548, mas o fabricante prefere adotar seu código esquisito, coisas como XYZ3219.544 de modo que somente as oficinas autorizadas podem fazer sua troca!
O técnico que saiba analisar os diagramas muitas vezes conseguirá perceber a função de tais componentes e com isso saber qual é o tipo comum que o substitui, mas na maioria dos casos isso não é nada fácil.

9. Onde encontrar fios esmaltados?
Os fios esmaltados para recuperação de um componente ou para uma montagem podem ser obtidos de muitos componentes fora de uso.
Transformadores, solenóides, relés e indutores são uma excelente fonte destes fios.
O cuidado principal que o montador deve tomar ao tentar aproveitar os fios esmaltados de componentes velhos é verificar se não há sinais de estarem queimados. Se o componente foi inutilizado por um aquecimento excessivo (queima), o isolamento do fio esmaltado certamente estará comprometido.
Podemos perceber isso se o componente estiver cheirando queimado, o que se acentua quando o desmontamos, e o fio esmaltado em lugar de sua capa marrom brilhante clara se encontrar enegrecido.

10. Como saber o número AWG de um fio esmaltado?
O número AWG de um fio esmaltado aumenta à medida que sua espessura (diâmetro) diminui.
Como para os fios mais usados em montagens eletrônicas, que estão entre os números 16 e 34, os diâmetros são muito pequenos, dificultando o uso de uma régua, existem alguns artifícios para determinar sua espessura.
Enrolamos umas 10 ou 20 espiras deste fio num lápis e medimos o comprimento da bobina (as espiras devem estar bem encostadas umas nas outras).
Dividindo o comprimento da bobina pelo número de espiras temos o diâmetro do fio. Depois é só consultar a tabela.

11. Por que não podemos usar capacitores de poliéster em alguns circuitos, principalmente os de alta frequência?
Os dielétricos usados nos capacitores podem ter propriedades que dependem da frequência. Os dielétricos plásticos, como por exemplo, o poliéster, não respondem aos sinais de altas frequências.
Isso significa que estes capacitores não podem ser usados de forma eficiente em circuitos que operem em frequências acima de alguns megahertz.
Para altas frequências, os capacitores usados podem ser de mica, cerâmicos ou policarbonatos.

12. O que significa o fato de um eletrolítico ser "indutivo"?
Os capacitores eletrolíticos são componentes "tubulares" onde folhas de alumínio são as armaduras e o dielétrico é uma folha de papel embebida num eletrólito. Este conjunto é enrolado de modo a formar um tubo, ou seja, é uma bobina de certa indutância.
Isso significa que os capacitores eletrolíticos possuem uma indutância parasita interna que afeta seu funcionamento nos circuitos de alta frequência.
É por este motivo que nos circuitos de altas frequências, nos capacitores eletrolíticos de filtro das fontes, são ligados em paralelo capacitores cerâmicos adicionais para "desacoplar" a RF, já que elas não podem passar pelos eletrolíticos, sendo desviadas para a terra.

13. Como escolher um diodo equivalente numa fonte?
Os diodos retificadores têm duas especificações principais que devem ser observadas quando usados numa fonte de alimentação:
a) Tensão inversa de pico ou PIV. Devemos escolher sempre um diodo que tenha uma tensão pelo menos 2 vezes maior que a tensão rms do transformador ou da entrada alternada. Por exemplo, para uma fonte a partir da rede de 110 V, usamos um diodo com pelo menos 200 V de tensão inversa de pico. O 1N4004, por exemplo.
b) A corrente máxima que ele pode conduzir no sentido direto. Esta corrente é dada em ampères e aqui temos de tomar cuidado com o tipo de fonte.
Se a fonte usar um diodo em meia onda, por exemplo, o diodo é o único responsável por toda a corrente e deve ter suas especificações de acordo com esta corrente.
No entanto, se a fonte for de onda completa (ponte ou dois diodos), cada diodo conduz em apenas metade dos semiciclos, e portanto na média pode suportar o dobro da corrente. Assim, para uma fonte deste tipo, podemos usar um diodo de 1 A mesmo que a saída seja de 2 A, como é o caso do 1N4004.

14. Qual a diferença entre diodos de silício e de germânio?
Os diodos de germânio começam a conduzir com uma tensão mais baixa (0,2 V) que os de silício (0,6 V). Isso significa que os diodos de germânio são mais indicados na função de detecção de sinais de pequena intensidade, levando vantagem em relação aos diodos de silício.

15. Posso usar um resistor de maior potência em lugar de um de menor potência?
Havendo lugar para a montagem do componente na placa de circuito impresso nada impede o uso.

16. Posso usar um resistor de tolerância mais baixa em lugar de um de mais alta?
Neste caso também, nada impede que um resistor de mesmo valor que o original, mas tolerância de 5% em lugar de 10%, seja usado numa aplicação.

17. Como entender o código de 5 anéis dos resistores de tolerância mais estreita?
Os três primeiros anéis dão os três primeiros dígitos da resistência.
O quarto anel dá o fator de multiplicação ou número de zeros e o quinto anel, a tolerância:
Exemplo: marrom, preto, preto, laranja, marrom
100 seguido de 3 zeros com tolerância de 1% ou 100 kohms x 1%.

18. Podemos alimentar um circuito com uma fonte de maior corrente que a originalmente exigida?
A corrente exigida por uma carga quando submetida a uma determinada tensão é dada apenas por suas características. Assim, se uma lâmpada de 6 V ou um circuito qualquer foi projetado para drenar uma corrente de 100 mA, quando ligado nesta tensão, tanto faz ligarmos esta lâmpada ou circuito numa fonte de 6 V x 500 mA ou 6 V x 10 A, que a corrente drenada será de 100 mA.
Isso significa, que ao projetar uma fonte para um circuito, devemos ter apenas o cuidado para que a corrente que ela seja capaz de fornecer seja maior do que a corrente que será exigida pelo circuito.

19. Podemos usar um transformador de maior corrente que a exigida originalmente numa fonte?
O transformador é um dos componentes que determina a corrente de saída de uma fonte. Se usarmos um transformador de maior corrente devemos apenas cuidar para que os demais componentes, sejam capazes de suportar a nova corrente caso a fonte tenha uma corrente maior exigida pelo que deve alimentar.

20. Por que podemos usar um fusível de apenas 500 mA na entrada de uma fonte de 12 V x 2 A?
A potência de um circuito é dada pelo produto tensão x corrente. Assim, se uma fonte de 12 V fornece 2 A, sua potência é de 24 W.
Se esta fonte for alimentada em 110 V, para fornecer os 24 W, a corrente será de aproximadamene 220 mA, pois 0,22 x 110 = 24,2.
Na verdade, será uns 20% maior, uma vez que existem perdas na forma de calor no transformador e no próprio circuito regulador. Em todo caso, ela não passará dos 300 mA. Isso significa que um fusível de 500 mA protege perfeitamente esta fonte, não queimando com seu funcionamento normal.

21. Por que determinados componentes precisam ser montados em radiadores de calor?
A corrente elétrica, passando por qualquer meio que lhe ofereça certa resistência, converte o esforço para vencer esta resistência em calor. Se o calor gerado nesta passagem não for transferido para o meio ambiente, a temperatura do meio (qualquer componente) se eleva.
Para os componentes eletrônicos é importante a manutenção numa determinada faixa de temperatura, o que significa que, se eles geram calor, este calor precisa ser transferido para o meio ambiente.
Em componentes de baixa potência, o calor gerado é pouco e pode ser transferido para o meio ambiente (dissipado) a partir de seu próprio invólucro e dos terminais. No entanto, para componentes maiores, precisamos aumentar a superfície de contato com o meio ambiente para que o calor possa ser transferido para o ar e isso é conseguido com o uso de radiadores ou dissipadores de calor.
Isso ocorre com circuitos integrados e transistores de potência, além de outros componentes como SCRs e TRIACs.

22. Por que as trilhas das placas para altas correntes precisam ser mais grossas?
A capacidade de condução de uma trilha de uma placa de circuito impresso depende de sua espessura largura. Se uma corrente muito intensa passa por uma trilha estreita, pode ser gerado calor suficiente para ocorrer sua queima. Além disso, a própria resistência manifestada pode ser prejudicial ao circuito.
Uma regrinha prática simples é ter pelo menos 1 mm de largura para cada ampère de corrente que deva ser conduzido por uma trilha. Assim, para uma trilha de 2 A, sua largura deve ser de pelo menos 2 mm.

23. O que são componentes polarizados?
Existem componentes que possuem um pólo positivo e um pólo negativo que precisam ser observados no momento em que forem utilizados. Se estes componentes forem invertidos, podem ocorrer problemas sérios de funcionamento.
Normalmente existe algum tipo de identificação dos pólos desses componentes que possibilita ao montador saber como devem ser ligados. Como exemplos podemos indicar:
a) Eletrolíticos: existe a marcação dos pólos no invólucro.
b) Diodos: um anel indica o catodo.
c) LEDs: o terminal mais curto ou lado chanfrado indica o catodo.
d) Transistores: existe uma identificação do fabricante conforme o tipo.
e) Pilhas e baterias: existe a marcação dos pólos.

24. Quais são as diferenças de características dos LEDs?
Além da corrente máxima de operação, os LEDs de diferentes cores podem precisar de tensões mínimas para acenderem.
De um modo geral, temos os seguintes valores:
vermelho: 1,6 V
amarelo, laranja: 1,8 V
verde 2,1 V
Os LEDs azuis e violetas, que já começam aparecer, precisam de tensões ainda maiores.
Lembramos que sempre deve ser usada uma tensão maior que a indicada e um resistor limitador de corrente ligado em série.

25. Fototransistores e fotodiodos são diferentes? Quando usar um ou outro?
Tanto os foto transistores como os fotodiodos são usados como sensores de luz modulada ou não, em diversas aplicações.
Os fotodiodos são mais rápidos e mais sensíveis que os fototransistores sendo usados em aplicações exijam muita velocidade. Já os fototransistores são mais lentos, mas podem ter a vantagem de já amplificar o sinal recebido, como, por exemplo, ocorre nos fotodarlingtons.
Na maioria das aplicações, os fototransistores são usados com o terminal de base desligado, operando como dois fotodiodos ligados em oposição.

26. Que cuidados devemos ter ao manusear componentes MOS?
Os componentes MOS (Metal Oxide Semiconductor) possuem uma camada finíssima de um óxido metálico isolante (que lhe dá nome), isolando os seus diversos elementos, por exemplo, a porta do substrato.
Esta capa pode ser facilmente rompida por qualquer descarga de uma tensão mais elevada como, por exemplo, a provocada pela eletricidade estática acumulada em nosso corpo.
Assim, basta o contato dos dedos nos terminais destes componentes para que a descarga produzida seja suficiente para furar esta capa, e assim inutilizá-lo.
Circuitos integrados MOS, transistores de efeito de campo, circuitos de memórias de computadores e outros são alguns exemplos de componentes que não devem ser seguros pelos terminais.

27. O que é impedância?
De que modo um circuito "vê" outro, para o qual deve transferir o sinal, pode ser medido por uma impedância. A impedância nada mais é do que a "resistência" que um circuito representa, mas em termos de corrente contínua ou alternada, ou seja, é composta por uma resistência pura, uma capacitância e uma indutância.
Um circuito só consegue transferir para outro toda a energia de que ele dispõe, quando sua impedância de saída é igual a da entrada do outro circuito que deve receber os sinais.
Por este motivo, para que os sinais de uma etapa para outra de um circuito ou de um equipamento para outro sejam transferidos de modo eficiente, deve haver um casamento de impedâncias entre eles, ou seja, suas impedâncias devem ser iguais.
Um caso importante a ser observado é o da entrada de certos circuitos que não necessitam necessariamente de todo o sinal que lhes pode ser fornecido para funcionar.
Por exemplo, se um amplificador pode fornecer uma potência em sua saída de 1 W, mas o circuito que ele deve excitar só precisa de 1 mW, as impedâncias não precisam ser casadas exatamente. Basta que a tensão de saída do circuito que excita atinja o valor mínimo que o outro exige, mesmo que a potência transferida seja menor, para que haja o bom funcionamento do circuito que deve receber o sinal.
Num amplificador, se ligarmos alto-falantes com impedância total igual a da saída, teremos o melhor rendimento. Com uma impedância menor, o sistema ainda funciona mas a potência de áudio obtida será menor. O perigo está em usar alto-falantes com impedâncias menores que a saída do amplificador. Os circuitos podem ser forçados ocorrendo a queima de componentes.

28. Como dimensionar a potência de um alto-falante?
Os alto-falantes devem ser capazes de transformar em som toda a potência de áudio fornecida pelo equipamento de som. Se isso não ocorrer, pode haver um excedente que se transforma em calor e o alto-falante queima.
Isso significa que o conjunto de alto-falantes ligado em cada canal de um sistema de som deve ser capaz de manusear a potência deste canal.

29. Como obter componentes?
Está cada vez mais difícil contar com lojas de componentes mesmo nos grandes centros. A redução do número de técnicos reparadores e montadores, já que é possível obter muitos equipamentos em kits e as empresas que fabricam os têm suas oficinas autorizadas, dificultam a obtenção dos componentes, mesmo os mais simples.
Para os que precisam de componentes, existem as seguintes alternativas:
a) Compra pelo correio ou Internet. Existem empresas que vendem componentes pelo Correio e Internet como a RS, Farnell etc.
b) Ida aos grandes centros que ainda possuem lojas, como São Paulo (Rua Santa Ifigênia) e Rio de Janeiro.
c) Obtenção de componentes a partir de equipamentos fora de uso que possam ser desmontados.

30. Podemos cortar os terminais dos componentes à vontade?
Muitos componentes vêm com terminais mais longos do que o necessário para sua montagem. Isso significa que, uma vez instalados numa placa de circuito impresso, seus excessos de terminais podem ser cortados sem problemas.
No entanto, existem casos que precisam ser analisados, em que o corte dos excessos dos terminais não é recomendável.
Resistores e mesmo alguns tipos de transistores dissipam uma boa parte do calor gerado pelos terminais. Assim, existem casos em que estes componentes devem ser montados afastados das placas, com os terminais mantidos longos, pois ajudam na dissipação de calor.
Especial atenção deve ser dada aos resistores de potência que são os principais componentes em que isso ocorre.

Perguntas e Respostas mais Freqüentes sobre Confecção de Placas de Circuito Impresso:


Questões selecionadas e respondidas pelo Newton C. Braga

1. Qual é o kit básico para confeccionar placas de circuito impresso?
2. Qual é o melhor meio para transferir um desenho para uma placa?
3. Como cortar uma placa no tamanho certo?
4. Onde obter decalques?
5. Podemos encontrar placas prontas para os projetos?
6. Como obter várias placas iguais para a montagem de diversos protótipos?
7. O que é o Easy-Peel?
8. Como funciona o silk-screen?
9. O método fotográfico é simples?
10. O que são placas universais?
11. Como usar uma placa universal?
12. Como projetar uma placa?
13. Existem programas de computador que ajudam a projetar placas?
14. Como trabalhar com placas de dupla face?
15. Como preparar a solução corrosiva?
16. Como saber quando a solução está "gasta"?
17. Como se livrar de uma solução "gasta"?
18. Em que lugar devemos trabalhar com a solução corrosiva?
19. A solução é venenosa?
20. Como obter uma corrosão mais rápida?
21. Como saber quando a corrosão está completa?
22. Como conferir a corrosão depois de pronta?
23. O que é o Pratex?
24. Como usar verniz protetor?
25. Como furar uma placa?
26. Como fixar uma placa no aparelho?
27. Onde comprar material para fazer placas de circuito impresso?
28. Como dimensionar trilhas?
29. Como fazer blindagens numa placa de circuito impresso?
30. Como reduzir capacitâncias parasitas?
31. Como projetar placas para circuitos de alta frequência?
32. Como reparar placas danificadas?
33. Como montar componentes que trabalham quentes?
34. Como extrair componentes de placas de circuito impresso?
35. Como escolher a solda?
36. Como montar componentes SMD?
37. Como obter placas sem falhas?
38. Como corrigir falhas?



1. Qual é o kit básico para confeccionar placas de circuito impresso?
Para confeccionar placas de circuito impresso, o leitor precisa de um kit básico formado pelos seguintes materiais:
- 1 banheira de plástico
- 1 litro de solução de percloreto de ferro (adquirida em casas especializadas - se adquirida na forma de pó, deverá ser preparada)
- 1 cortador de placas
- 1 furador de placas
- 1 cortador de placas
- Placas virgens de diversos tamanhos
- 1 vidro de solvente (acetona ou benzina)
- Algodão
- Material para fazer o desenho conforme o método (veja as perguntas seguintes).
- Material adicional:
- Verniz protetor comum transparente
- Pratex (iodeto de prata)
- Suporte para placa

2. Qual é o melhor meio para transferir um desenho para uma placa?
Existem diversas técnicas para transferir um desenho padrão para uma placa:
a) Usando uma caneta especial com um tipo de tinta que não é afetada pelo percloreto, copia-se o desenho do padrão para a placa. O desenho pode ser previamente transferido para o cobre a partir de uma cópia fotocopiada, usando papel carbono ou ainda como referência apenas os furos marcados com um punção. A partir dos furos desenhamos linhas, baseados no desenho original.
b) A partir de uma tela de silk-screen que pode ser confeccionada em casas especializadas ou de kits que existem para esta finalidade. A vantagem deste processo é que a tela pode ser usada para fazer diversas placas do mesmo circuito.
c) Pelo método fotográfico - existem kits especiais em que temos placas cobertas por uma substância sensível à luz denominada "photoresist". Estas placas, quando colocadas num banho de luz, tendo à sua frente um desenho do padrão a ser transferido são sensibilizadas. Levadas a um banho, é feita a revelação de tal modo que apenas as áreas correspondentes às trilhas fiquem recobertas por uma substância que não é atacada pelo corrosivo. Basta então levar a placa ao banho corrosivo.
d) Decalque - existem duas possibilidades neste caso: obter o decalque do desenho ou transferir para o decalque o desenho original.
No segundo caso, temos o sistema "Easy Peel", que permite transferir o desenho para o decalque usando uma máquina de fotocópia ou uma impressora LASER. Veja nas perguntas correspondentes como ele funciona.

3. Como cortar uma placa no tamanho certo?
Para cortar a placa no tamanho certo, existem ferramentas apropriadas. Assim, antes de passar o desenho, use a ferramenta de corte ou uma serra, cortando a placa no tamanho desejado.
Esta operação deve ser feita com cuidado, para que a placa não quebre, já que um movimento mais forte de pressão pode rachá-la.
Nos kits de circuito impresso existem ferramentas apropriadas para esta tarefa.

4. Onde obter decalques?
Lojas especializadas e papelarias costumam vender cartelas contendo os símbolos básicos para a confecção dos desenhos das placas de circuito impresso.
Estes símbolos incluem as pequenas rosquinhas que correspondem aos terminais e linhas retas e curvas para fazer as trilhas.
Marcando apenas os pontos onde devem ficar as "rosquinhas", o projetista pode copiar as demais ligações com facilidade, montando as placas.

5. Podemos encontrar placas prontas para os projetos?
Em alguns casos sim. Existem empresas que vendem kits ou publicam os projetos e disponibilizam as placas de circuito impresso prontas. No entanto, nem sempre isso é possível.
Lembre-se de que as placas de circuito impresso são específicas. Uma placa projetada para ser um determinado aparelho, não pode ser usada para a montagem de outro.

6. Como obter várias placas iguais para a montagem de diversos protótipos?
Para a produção em série de placas é possível usar uma tela de silk-screen.

7. O que é o Easy-Peel?
É um sistema de decalque que permite transferir um desenho de placa de circuito impresso tirado de uma revista ou livro, diretamente para a placa virgem, usando um ferro de passar roupas.
O desenho é colocado numa copiadora ou scaneado e projetado num computador que tenha impressora LASER. Nos dois casos, em lugar do papel, a impressora ou a copiadora usam uma folha de Easy Peel. Feita a impressão, o desenho gravado no Easy Peel pode ser transferido para a placa, utilizando-se um ferro de passar roupas.

8. Como funciona o silk-screen?
O desenho original é transferido para uma tela fina de seda, por um processo especial que envolve a utilização de um fotolito. Existem firmas especializadas que fazem a tela diretamente do desenho original e há também kits com todos os elementos necessários para isso.
Se o leitor pretende fazer uma tela somente, mandar fazê-la é mais econômico. No entanto, se o leitor pretende fazer muitos projetos e muitas placas, pode ser interessante ter à disposição todos os elementos para confeccionar a tela.

9. O método fotográfico é simples?
A partir dos kits o processo é simples, mas exige habilidade no tratamento do material em todas as etapas.

10. O que são placas universais?
São placas que não seguem o padrão de cada projeto, mas sim um padrão único. Usando este, padrão é possível aproveitar as linhas de cobre existentes para formar o circuito desejado.
A vantagem é que podemos montar praticamente qualquer circuito neste tipo de placa. A desvantagem está no fato de que a placa não tem um aproveitamento 100 por cento, o que significa que os projetos podem ficar maiores que o esperado, com espaço não aproveitado e trilhas não usadas.
Evidentemente, é preciso saber usar este tipo de placa.

11. Como usar uma placa universal?
Comece transferindo o circuito para um desenho que corresponda à placa que será usada, procurando as disposições de componentes que levem à montagem mais compacta possível.
Depois, faça a colocação dos componentes com especial atenção aos jumpers.

12. Como projetar uma placa?
Para projetar uma placa, o leitor deve ter os seguintes conhecimentos básicos:
a) Interpretação de diagramas.
b) Conhecer o formato dos componentes que serão usados.
c) Conhecer regras simples para o caso de correntes intensas e sinais especiais dos circuitos.
Para aprender a projetar, inicie com circuitos simples de modo a se familiarizar com as principais técnicas de disposição.
Gradualmente é que devemos passar ao projeto de placas mais complexas, principalmente, as que fazem uso de circuitos integrados.

13. Existem programas de computador que ajudam a projetar placas?
Existem diversos programas de computador rodando em ambiente Windows ou DOS que projetam placas de circuito impresso.
Os programas normalmente partem do esquema que deve ser desenhado a partir de um programa especial ou copiado a partir de técnicas especiais que envolvam programas interpretadores.
A partir do esquema capturado, o programa é capaz de desenhar a placa partindo de uma disposição de componentes que você cria ou que o próprio componente cria.
Existem programas em todos os níveis, desde os mais simples que podem ser usados por amadores com facilidade até os mais complexos, que exigem cursos e muita prática para serem usados com todos os seus recursos.

14. Como trabalhar com placas de dupla face?
Existem projetos que usam placas de circuito impresso de dupla face, ou seja, com dois lados cobreados.
Neste caso, os desenhos ou padrões devem ser transferidos para os dois lados, com especial cuidado para que os pontos de furação coincidam, ou seja, deve haver um alinhamento perfeito dos furos.
Depois é só fazer a corrosão e furação da maneira convencional empregada nas placas de face simples.

15. Como preparar a solução corrosiva?
O corrosivo (percloreto) poder ser encontrado na forma de pó, caso em que o usuário deve preparar a solução.
Para isso procure um local bem ventilado, para evitar os vapores tóxicos e longe de objetos que possam manchar ou sofrer corrosão (armários de aço, eletrodomésticos de metal, carros, bicicletas, motos etc).
A bandeja deve ser colocada sobre jornal para evitar respingos.
Coloque água na quantidade exigida na bandeja ou outro recipiente (que não deve ser de metal). O normal é 1 litro/quilo de percloreto, no entanto, pode ser usada maior quantidade de água para uma solução mais fraca.
Despeje vagarosamente o pó na água, ao mesmo tempo, mexa a solução com um bastão de madeira ou plástico.
Observe que a solução se aquece bastante neste processo.
Pare e espere, se verificar que o aquecimento pode deformar a bandeja de plástico.
Para usar pela primeira vez, espere a solução esfriar.
A solução pode ser usada diversas vezes para corroer muitas placas. Percebe-se quando ela enfraquece, pois o tempo para completar o trabalho vai se tornando cada vez maior.

16. Como saber quando a solução está "gasta"?
O tempo de corrosão de uma placa com a solução forte ou nova pode variar entre 20 e 30 minutos.
No entanto, à medida que a solução vai enfraquecendo, este tempo vai aumentando. Quando ultrapassar uma hora, é sinal que a solução já está bastante fraca.
Jogue fora a solução e prepare uma nova, segundo os procedimentos já explicados.

17. Como se livrar de uma solução "gasta"?
A solução gasta mancha bastante e é algo tóxica. Não a jogue portanto em jardins ou locais em que possa afetar o meio ambiente.
No entanto, se ela for bem diluída - dissolvida num balde com pelo menos 5 litros de água - você poderá jogá-la no esgoto sem problemas.
Depois de dissolvê-la bem em água, jogue ainda mais um balde de água para se livrar de todos os resíduos.

18. Em que lugar devemos trabalhar com a solução corrosiva?
Os vapores da solução de percloreto, além de tóxicos, podem corroer qualquer objeto de metal colocado nas proximidades.
Assim, se você deixar o líquido destampado em locais próximos de armários de aço, eletrodomésticos como, geladeiras ou ainda, perto de bicicletas, carros etc, pode haver o ataque, aparecendo pontos de corrosão.
Isso significa que devemos trabalhar sempre em ambientes arejados e longe de objetos de metal.
Depois de usar a solução, guarde-a num vidro bem fechado em local arejado longe de objetos de metal. De preferência, guarde-a fora de casa.

19. A solução é venenosa?
A solução não é venenosa se quantidades muito pequenas respingarem em sua boca ou caírem na sua pele. Ela também não queima, mas mancha.
Se isso ocorrer, basta lavar o local com água corrente e não haverá problema.
No entanto, evite o contato constante da pele com a solução.

20. Como obter uma corrosão mais rápida?
Agitando o líquido da banheira de plástico ou vidro durante a corrosão, é possível fazer circular o líquido e com isso acelerar o processo de corrosão.
Uma maneira de fazer isso é movimentando a banheira cuidadosamente de modo a produzir um vai-e-vem que gere uma onda de líquido.
Uma outra maneira consiste em ter um tanque vertical, semelhante a um aquário e utilizar uma bomba de ar do mesmo tipo usado em aquários, para produzir borbulhas. As borbulhas movimentam o líquido.

21. Como saber quando a corrosão está completa?
De tempos em tempos, levante a placa da solução, usando para esta finalidade uma régua de plástico (que também pode ser usada como agitador) e observe se as áreas cobreadas foram todas removidas nas partes descobertas da placa.
Nas fases finais, observamos pequenas ilhas de cobre que vão se reduzindo até desaparecer por completo.

22. Como conferir a corrosão depois de pronta?
Lave a placa e observe se não ficou nenhum ponto cobreado visível. A placa deve ter todo o cobre removido nas regiões em que não estão os decalques ou a tinta que forma as trilhas.
Se ficou ainda alguma mancha de cobre, a placa deve ficar mais algum tempo na banheira de corrosivo.

23. O que é o Pratex?
Depois que a tinta ou decalque é removido, usando acetona ou benzina ou ainda lã de aço tipo Bombril (todos os fiapos devem ser removidos), é possível proteger o cobre contra corrosão ou ferrugem, com iodeto de prata, Pratex. Passe essa substância usando um pincel comum ou algodão.
O cobre vai mudar de cor, ficando prateado em vista da reação química que ocorre. Nessas condições a ferrugem ou oxidação será evitada.

24. Como usar verniz protetor?
Nas placas profissionais, utiliza-se uma cobertura de verniz protetor, exceto nas ilhas onde devem ser soldados os componentes. Este verniz tem por função evitar a oxidação da placa.
Nas fábricas, para aplicação do verniz, utiliza-se uma máscara de silk-screen com o padrão que deve ser envernizado.
Para o amador, a proteção com verniz pode ser feita de uma maneira mais simples. Depois de soldar os componentes e terminar a montagem, passe com um pincel comum verniz incolor no lado cobreado da placa.

25. Como furar uma placa?
Existem diversos tipos de furadeiras que podem ser usadas para fazer os furos dos terminais dos componentes nas placas de circuito impresso.
O tipo mais simples, tem a forma de um grampeador e é normalmente fornecido com os kits para fazer placas. A desvantagem deste tipo de furador é que ele faz furos de diâmetros únicos, já que não usa broca.
O segundo tipo é o elétrico de baixa tensão (funciona com 12 V x 1 A), admite brocas de 0,8 a 1,5 mm de diversos formatos de ponta, possibilitando inclusive a gravação de canetas etc. As casas especializadas em material para circuito impresso fornecem este tipo de furadeira.
O terceiro tipo e mais indicado para um trabalho profissional é o Dremel, que além de admitir diversos tipos de brocas, é robusto e serve para outras tarefas importantes, inclusive o corte das placas. Trata-se, entretanto, de uma ferramenta bem mais cara.
Finalmente, temos as furadeiras elétricas comuns que devem ser manuseadas com muito cuidado no trabalho de furação, pois as brocas e as próprias placas são muito delicadas e podem quebrar se forçadas.

26. Como fixar uma placa no aparelho?
Quando as placas são feitas, é importante prever o modo de fixação desta placa na caixa do aparelho.
Normalmente, o montador deve prever furos nas bordas, nos quais serão colocados os parafusos de fixação.
Para que a placa fique com o lado cobreado afastado da caixa (que se for metálica pode causar curtos), devem ser usados separadores. Tubos de canetas esferográficas ou hidrográficas usadas podem ser usados para esta finalidade.
Alguns tipos de caixas plásticas possuem trilhos onde as placas podem ser encaixadas. No entanto, se este tipo de caixa for usada, a placa deve ser cortada no tamanho certo, para depois ser confeccionada.

27. Onde comprar material para fazer placas de circuito impresso?
Além das casas de materiais eletrônicos, existem muitos distribuidores de materiais que trabalham pelo correio, vendendo kits ou material em separado para a confecção de circuitos impressos.

28. Como dimensionar trilhas?
As trilhas das placas precisam ser projetadas com cuidado, levando em consideração a intensidade da corrente que passará por elas.
Uma regra simples é que a trilha deve ter pelo menos 1 mm de largura por ampére de corrente que deve conduzir. Assim, se por uma trilha, a corrente que irá circular for de 1,5 A, esta trilha deverá ter pelo menos 1,5 mm de largura. É claro que na prática, se houver espaço disponível, deve ser observada uma tolerância.
Se as trilhas forem muito estreitas para uma corrente intensa, além da resistência que pode afetar o funcionamento do circuito, temos o aquecimento que pode causar seu rompimento.

29. Como fazer blindagens numa placa de circuito impresso?
Se uma trilha longa precisar conduzir um sinal intenso, será conveniente pensar numa blindagem.
Duas trilhas que corram paralelas (uma de cada lado) ligadas ao negativo ou terra do circuito servem de blindagem.
Uma área cobreada que envolva (sem tocar) o terminal de entrada de um amplificador sensível, estando ligada ao terra do circuito, pode servir de blindagem.
As blindagens nas placas são muito importantes nos circuitos de áudio que trabalham com pequenos sinais e nos circuitos sensíveis de alta frequência em que realimentações perigosas possam ocorrer. Nos circuitos digitais de alta velocidade, em que ocorram instabilidades, as blindagens também podem ser necessárias.

30. Como reduzir capacitâncias parasitas?
A proximidade de uma trilha de outras trilhas ou de grandes regiões cobreadas pode implicar na introdução de capacitâncias parasitas nos circuitos. Estas capacitâncias podem ser responsáveis por oscilações, perdas ou mesmo instabilidades de funcionamento.
Para reduzir este problema, as trilhas que transportam sinais devem ficar longe das demais e/ou ser curtas.
Um bom planejamento das placas possibilita a utilização de trilhas curtas para os sinais.

31. Como projetar placas para circuitos de alta frequência?
Trilhas compridas significam indutâncias parasitas enquanto, trilhas próximas significam capacitâncias parasitas. Indutâncias parasitas e capacitâncias parasitas podem afetar o funcionamento de circuitos de altas frequências.
O projeto de circuitos que trabalhem com sinais de alta frequência deve prever a utilização de trilhas curtas para os sinais e blindagens em alguns casos.
As curvas acentuadas também devem ser evitadas, pois uma curva em 90 graus significa uma bobina de 1/4 de espira com uma indutância que pode afetar sensivelmente um circuito de alta frequência.

32. Como reparar placas danificadas?
Depois de confeccionar uma placa, é possível ter a surpresa de encontrar trilhas interrompidas ou muito estreitas, sinal de falhas de corrosão ou cobertura.
As trilhas interrompidas podem ser reparadas com uma ponte de solda ou soldando-se entre os pontos da interrupção um pedaço de fio nu, fazendo uma "ponte".
Para os estreitamentos, também podem ser feitas pontes, de modo que o pedaço de fio, com maior capacidade de corrente, compense a menor capacidade do estreitamento.

33. Como montar componentes que trabalham quentes?
Os componentes que trabalham quentes, como resistores de fio, devem ser montados afastados das placas de circuito impresso.
Isso significa que, ao encaixar o componente na placa, devemos deixar seu corpo de 0,5 a 1 cm longe da placa e depois fazer a soldagem dos terminais.
Este procedimento evita que o calor gerado pelo componente afete a placa e mais ainda, facilita a ventilação do próprio componente.

34. Como extrair componentes de placas de circuito impresso?
Os resistores, capacitores e diodos podem ser extraídos facilmente de uma placa, utilizando-se um alicate de ponta. Ao mesmo tempo que puxamos o componente para fora da placa, aplicamos calor nos pontos de solda de modo a derretê-la.
Transistores e outros componentes com mais terminais também podem ser extraídos da mesma forma.
Uma ferramenta que ajuda muito na remoção dos componentes é o sugador de solda. Aquecendo o ponto de soldagem e aplicando o sugador, ele "chupa" a solda derretida liberando o terminal.
Para circuitos integrados, podemos liberar todos os terminais usando o sugador, tirando o componente da placa com facilidade.
Para circuitos integrados, existe também uma ferramenta especial de dessoldagem que possibilita a aplicação do calor do ferro ao mesmo tempo em todos os terminais. Depois é só puxar com cuidado o componente para soltá-lo da placa.
Outro recurso importante é a fita solta-solda, que colocada no terminal e aplicando-se calor, retira a solda do local, soltando o componente.

35. Como escolher a solda?
A solda ideal para trabalhos eletrônicos é a 60/40 (60% de estanho e 40% de chumbo).
Dê preferência à solda sem resina, já que a resina em alguns casos é corrosiva, podendo afetar o componente e a própria placa de circuito impresso.
A solda pode ser adquirida a metro, em rolinhos ou tubinhos ou carretéis com 1 kg.

36. Como montar componentes SMD?
Os componentes SMD são colados do lado cobreado da placa e depois soldados. Sua forma é tal que possibilita a montagem por meio de máquinas de grande velocidade.
Os amadores podem usar tais componentes, mas a montagem é dificultada pelo seu tamanho. Além do uso de pinças e de um ferro com ponta muito fina, o montador tem ainda dificuldade em obter os componentes.
A troca de componentes numa placa para reparos pode ser feita dessoldando-se os terminais e depois, arrancando o componente com um alicate.
O novo pode ser colado no mesmo lugar com uma gota de qualquer cola forte e depois soldado.
Em alguns casos, quando há espaço, é possível usar um componente convencional em lugar do SMD.

37. Como obter placas sem falhas?
Atenção no uso da tinta e pressionar decalques de forma uniforme são os requisitos para obter uma placa sem falhas.
De qualquer forma, terminando o trabalho de preparo da placa, não a leve imediatamente para o banho de corrosivo. Faça uma inspeção visual e com a ajuda da caneta de circuito impresso ou com esmalte de unhas, retoque os locais em que podem ocorrer possíveis falhas.

38. Como corrigir falhas?
As falhas podem ser corrigidas de diversas formas, dependendo do problema apresentado.
a) Interrupções - use o processo de ponte de solda, conforme já explicado anteriormente.
b) Irregularidades - faça uma ponte com um pedaço de fio ou solda no local em que isso ocorrer.
c) Falta de trilha - se você esqueceu uma trilha no seu projeto, não se desespere: substitua-a por um pedaço de fio comum, ligando os pontos desejados diretamente nos terminais dos componentes.
d) Trilhas em curto - use uma lâmina afiada para remover a parte que está em curto, com muito cuidado, para que o problema seja eliminado completamente.


          Este FAQ foi retirado do site da Editora Saber, para saber mais sobre esta editora e suas publicações visite o site da Editora Saber.

    Arquivo

 Menu    Página Principal   Instruções Gerais   Tabelão de Componentes   Dicas Técnicas   Projetos   Sites Interessantes